Manual do professor 2020

APRESENTAÇÃO

"Quando crescer, quero ser sacerdote para tomar conta dos meninos. Os meninos são bons; se há meninos maus é porque não há quem cuide deles" - Dom Bosco

 

Querido (a) educador(a)salesiano(a),

 

O principal objetivo deste manual é garantir que cada professor possa conciliar as especificidades do seu trabalho e sua individualidade em função do desempenho de uma equipe que deve atuar como um grupo coerente, coeso, envolvido, entusiasmado e bem preparado. Aqui você encontrará informações que consideramos preciosas e que, certamente, deverão auxiliá-lo no exercício de suas atividades profissionais. Acreditamos também que este manual ajude a vivenciar os interesses do carisma Salesiano potencializado pelo Sistema Preventivo de Dom Bosco para formar o bom cristão e honesto cidadão. Lembramos que se trata de um documento baseado em nossa Proposta Política Pedagógica Pastoral, na qual pensamos ser melhor condensá-las em um só local, para que você possa acessá-las mais facilmente. Dessa forma, consideramos ser de grande importância o estudo atento deste manual, assim como a consulta periódica a ele durante todo o ano letivo de 2020. Esperamos que você, professor, utilize o manual como um apoio necessário à unidade do nosso trabalho e ao sucesso de nossa atuação como educadores.

 

Fraternalmente,

Equipe Gestora do Colégio Auxílium

REDE SALESIANA DE ESCOLAS

 

 

QUEM SOMOS?

 

A Rede Salesiana de Escolas Brasil (RSB) é um convênio celebrado entre os salesianos de Dom Bosco e as Filhas de Maria Auxiliadora. A RSB surgiu para integrar as escolas salesianas, estreitando laços e criando pontes entre as escolas associadas, aumentando as oportunidades de diálogo e de debate dos problemas, soluções e empreendimentos comuns, favorecendo a unidade de pensamento e de práticas pedagógicas, facilitando e sistematizando a partilha de experiências e conhecimentos, dinamizando o esforço de atualização e aperfeiçoamento constante dos educadores. A Rede reúne, hoje, mais de cem instituições de Ensino Infantil, Fundamental Médio e Universidades, aproximadamente noventa mil alunos e quatro mil educadores; envolve, também, dez escolas não salesianas e mais de dez universidades e centros universitários. Todos engajados numa proposta moderna de educação, que contempla a interdisciplinaridade, a aprendizagem coletiva e compartilhada e a formação integral do ser humano, capaz de compreender criticamente a sociedade em que vive e de agir sobre ela. E, para unir tradição e inovação, inspira-se nos princípios pedagógicos de Dom Bosco. Os princípios que fundamentam nossa proposta pedagógica estão expressos no marco referencial da Rede Salesiana de Escolas (RSB) que está sintonizado com os desafios e programas educacionais do Brasil, expressos nas orientações da Lei de Diretrizes e Bases (LDB) e dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs) do Ministério da Educação e Cultura (MEC), em permanente diálogo com o carisma e a missão salesiana.

Na educação básica, a presente proposta é criar condições para que os educandos possam desenvolver as seguintes competências:

  • Dominar linguagens;
  • Compreender fenômenos;
  • Enfrentar situações-problema;
  • Construir argumentação; e
  • Elaborar propostas.

Concebendo a escola como espaço privilegiado de comunicação de ideias e ideais, de reflexão e ação, de solidariedade e respeito às diferenças, a escola propõe um currículo de perspectivas socioculturais, alinhado às grandes transformações da sociedade, que oportuniza a aquisição de conhecimentos técnico-científicos, educação estética, apropriação de diferentes códigos e linguagens e o desenvolvimento de habilidades cognitivas, atitudinais e sociais. Para isso a escola conta com um modelo de organização, metodologia de trabalho, referenciais teóricos e recursos didáticos de alta qualidade para a construção desse projeto ousado e inovador. Como Comunidade Educativa Salesiana, assumimos, portanto, os desafios da educação contemporânea, oferecendo uma resposta concreta, sistemática e ampla para a formação de nossos alunos.

 

A ESCOLA SALESIANA

 

  1. Sintonizada com os desafios e programas educacionais do Brasil, a RSB segue as orientações da Lei de Diretrizes e Bases (LDB) e dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs) do Ministério da Educação e Cultura (MEC), em permanente diálogo com o carisma e a missão salesiana.
  2. Engajada na construção de um projeto de escola centrado nas relações entre pessoas comprometidas com a transformação da realidade em que estão inseridas, visando à contínua e indispensável formação de uma comunidade educativa: é esse o desafio que o legado pedagógico de Dom Bosco (1815-1888) e de Madre Mazzarello (1837-1881), fundadores da Família Salesiana, coloca para a RSB. Desde sua origem no século XIX, o estilo salesiano de educar inspira-se nos valores cristãos e pauta-se no paradigma de educar pelo amor, sob o prisma da inclusão e da reciprocidade.
  3. Espaço educativo para aprender a aprender, aprender a fazer, aprender a ser, aprender a conviver e aprender a crer:

a) Espaço educativo para aprender a conhecer, resgatando a função primeira da escola que é formar a pessoa, preparando-a para discernir e enfrentar as mudanças de uma sociedade em constante transformação;

b) Espaço educativo para aprender a fazer, onde se oferecem condições, proporcionais ao estágio de desenvolvimento do educando, para a aquisição de habilidades e competências práticas;

c) Espaço educativo para aprender a ser, isto é, um ambiente favorável à construção e enriquecimento da identidade pessoal e coletiva;

d) Espaço educativo para aprender a conviver, o que significa que, além de acolher o aluno e sua família numa comunidade diferenciada, o modo de trabalho deve permitir a vivência de situações especialmente planejadas para a formação de uma identidade ativa e solidária com o grupo social;

e) Espaço educativo para aprender a crer, tanto em relação aos valores essenciais à convivência humana e à promoção da dignidade da pessoa quanto em relação aos valores transcendentais cristãos.

 

Tudo isso obriga a pensar a escola como espaço privilegiado de comunicação de ideias e ideais, de reflexão e ação, de solidariedade e respeito às diferenças. Desse modo, a organização da escola, a metodologia de trabalho, os referenciais teóricos e os recursos didáticos são instrumentos para a construção desse projeto, além de caminho de qualificação constante para os educadores da RSB.

 

PROJETO DE PESSOA E DE SOCIEDADE

 

A educação salesiana está a serviço da formação integral da pessoa. Sua missão é "fornecer razões de vida e de esperança às novas gerações, mediante um saber e uma cultura elaborados criticamente, com base na concepção da pessoa e da vida inspirada nos valores evangélicos".

 

  • Perfil do educando

 

O Marco Doutrinal da RSB redefine modelos, estilos e conteúdos educativos e faz disso uma contribuição valiosa para a formação crítica, ética, social e política do educando, possibilitando-lhe o exercício renovado de uma cidadania participativa, construtiva e solidária. O Marco Doutrinal nasce de uma visão humanista e cristã, em sintonia com o carisma da educação salesiana, sendo está voltada para a formação integral da pessoa como "honesto cidadão e bom cristão", de homens e mulheres capazes de:

a) Descobrir o sentido de suas vidas num contexto mutável, flexível, de múltiplos significados;

b) Descobrir o prazer de construir a própria identidade com liberdade e responsabilidade;

c) Comprometer-se consigo mesmo e com os outros, mediante a vivência de uma cidadania ativa e responsável;

d) Buscar a felicidade mediante o desenvolvimento de suas capacidades, a convivência e a interação solidária;

e) Construir uma síntese entre vida, cultura, ciência e fé;

f) Compreender todas essas tarefas como um caminho para o crescimento contínuo, a vida inteira.

 

  • Crenças e valores

 

Na base motivadora dessa tarefa educativa, e dando-lhe consistência, encontram-se as crenças de que:

a) Na comunidade educativa, todos são educadores vivem essa sua missão como compromisso de vida;

b) Todo educando traz consigo potencialidades para o desenvolvimento e a prática do bem;

c) O educando é o protagonista de sua própria formação e de sua história;

d) É possível educar evangelizando e evangelizar educando;

e) O estilo de educação configura-se não só como método, mas também como espiritualidade;

f) A reciprocidade é o melhor caminho tanto para se entender o relacionamento entre as pessoas como para promovê-lo.

 

Há igualmente valores na base motivadora do projeto da RSB, operacionalizados no cotidiano da ação educativa:

 

a) A presença propositiva do educador entre os educandos;

b) A preventividade, uma das marcas da proposta educativa salesiana, entendida como geradora de um conjunto de atitudes e ações no relacionamento entre educador e educando, em vista do futuro, na consciência de que é melhor "prevenir do que reprimir";

c) O ambiente educativo, que favorece o relacionamento em um clima de acolhida, de alegria e de corresponsabilidade;

d) As forças interiores, configuradas no trinômio razão, religião e amor educativo, às quais se faz constante apelo na experiência educativa salesiana.

 

  • Educação integral

 

A formação integral exige uma ação educativa capaz de proporcionar o desenvolvimento harmônico e progressivo de todas as dimensões do ser humano, a saber:

a) Dimensão psicomotora, para a aceitação do corpo, a potencialização das habilidades físicas e motoras, a aquisição de hábitos saudáveis de vida e o desenvolvimento do sentido crítico em relação a estereótipos sociais;

b) Dimensão intelectual e cognitiva, para selecionar e organizar informações, de modo a integrar criticamente as aprendizagens e enfrentar as múltiplas situações e desafios da vida;

c) Dimensão psicoafetiva, para orientar o desenvolvimento da autonomia pessoal e a consolidação harmônica da própria personalidade;

d) Dimensão das relações interpessoais, para favorecer a adoção de atitudes de participação no grupo e de respeito para com os outros;

e) Dimensão ético-social, para desenvolver o sentido de cidadania, de pertença a determinado grupo social, de acolhida do diferente e de cooperação na construção de um mundo mais habitável, justo, solidário e humano;

f) Dimensão transcendente, para comprometer-se na procura de respostas sobre o ser humano, a história e o mundo, abrindo-se à experiência religiosa na perspectiva de um projeto de vida mais amplo e feliz.

 

  • Formação em valores e atitudes

 

Para os educadores da RSB, a educação deve promover a autonomia do educando, tanto em seus aspectos intelectuais e cognitivos quanto de desenvolvimento afetivo, social e moral. Essa autonomia tem como pontos culminantes a construção da identidade da pessoa, a conquista de um conceito positivo sobre si mesma e a formulação de um projeto de vida vinculado a valores. Tendo em conta essas tarefas, os educadores da RSE, em relação à construção da identidade do educando como pessoa, se propõem a estimular:

a) A alegria pelo dom da vida, com cuidado pela saúde do corpo;

b) A autoestima e o sentimento de segurança pessoal, com consciência autocrítica;

c) A independência e a liberdade, o sentido de responsabilidade, a capacidade de enfrentar as situações com critérios próprios e de resolver criativamente os problemas;

d) A bondade, a integridade, a disposição de manter normas de conduta pessoal e de trabalho coerentes com as convicções próprias;

e) A abertura para mudanças e para a formação continuada.

 

No âmbito do relacionamento com os outros, os educadores da RSB se propõem a intensificar:

 

a) A capacidade de amar, de dar e receber afeto, sem vínculos de dominação ou de dependência;

b) O respeito para com todos, expresso pelo modo cordial de acolher as pessoas e pelos sentimentos de apreço e de amizade;

c) A valorização do grupo humano ao qual se pertence, da sua história e cultura, e o respeito pelas diferentes maneiras de pensar e pelas distintas sociedades e culturas, cultivando a tolerância e o espírito democrático;

d) O sentido de justiça e de solidariedade, a preocupação com os problemas dos indivíduos e da sociedade; atitudes de serviço, diálogo e compromisso com a defesa dos direitos humanos, da paz, dos mais vulneráveis, da vida;

e) A capacidade de viver em paz diante da incerteza, da ambiguidade e do provisório.

 

Na interação com o meio ambiente e a cultura, os educadores da RSB se propõem a desenvolver:

a) A consciência de que o patrimônio natural e social é um bem destinado a todos, merecendo, portanto, respeito e cuidado;

b) A valorização crítica da contribuição científica e técnica e o apreço de sua função a serviço do ser humano;

c) As habilidades necessárias para o uso crítico da mídia e das novas linguagens na sociedade do conhecimento, em vista de uma cultura de solidariedade e paz.

 

Na abertura à transcendência, os educadores da RSB se propõem a aprofundar:

a) O interesse por descobrir o sentido da vida e da história;

b) A confiança na pessoa e em suas possibilidades;

c) A percepção das aspirações profundas do coração humano e das limitações da realidade para satisfazê-las;

d) O reconhecimento dos questionamentos profundos levantados pela vida e pelo mundo, da insuficiência das respostas técnicas e de que nenhuma ciência consegue explicar totalmente a realidade;

e) Uma leitura cristã da história, da sociedade e do mundo.

 

 

PRINCÍPIOS PSICOPEDAGÓGICOS

 

O projeto e os recursos pedagógicos produzidos e utilizados pela RSB não constituem um fim em si mesmos. Tendo em conta, porém, sua relevância para o processo educativo, são assumidos com toda a seriedade possível, sob a ótica de um caminho em permanente construção. Escolas, diretora/es, professora/es, pais e aluna/o/s, assim como os autores dos livros e de outros materiais didáticos, no exercício de suas funções específicas, concorrem todos para a qualificação constante do projeto, de suas ações e produtos.

 

  • Princípios gerais

 

Os educadores da RSB entendem a educação como processo de construção e desenvolvimento pessoal pelo qual o indivíduo, relacionando-se com o ambiente, com os outros e com a sociedade, cresce e se constitui como pessoa. Nesse sentido, a educação ultrapassa o espaço da escola e incide sobre a totalidade da vida do educando. Não há dúvida, contudo, de que a escola é um lugar privilegiado para o desenvolvimento das capacidades individuais e coletivas e para a análise crítica da sociedade. Por isso, os recursos pedagógicos da RSB:

a) Propõem atividades que favorecem a reflexão, bem como o uso estratégico das aprendizagens;

b) Diversificam os tipos de atividades;

c) Estimulam o trabalho em grupo cooperativo, a análise do contexto e do ambiente, a criatividade, a pesquisa, o sentido prático, o aprender a aprender;

d) Proporcionam a transferência de aprendizagens de uma situação para outra.

O material didático da RSB, que constitui um instrumento muito importante para a implementação deste projeto, será complementado por atividades comunitárias, sociais e religiosas, consideradas fundamentais para a educação salesiana, cuja operacionalização se dá mediante a construção dos outros dois elementos constitutivos do Projeto Educativo que são o Diagnóstico local e a Programação anual de cada escola: tarefas educativas que precisam contar com a efetiva participação dos integrantes da comunidade educativa local. Todos contribuem para a construção e realização desse projeto.

 

  • Princípios orientadores do processo de ensino-aprendizagem

 

  1. O ensino é concebido pelos educadores da RSB como um conjunto sistemático de ações, cuidadosamente planejadas, ao redor das quais conteúdo e forma articulam-se permanentemente. As atividades permitem que professor e aluno compartilhem parcelas sempre maiores de significados em relação aos conteúdos do currículo escolar. O professor orienta suas ações para que o aluno participe em tarefas e atividades que o aproximem cada vez mais dos conteúdos que a escola tem para ensinar.
  2. Dentro dessa visão, conceitos como os de precisão, linearidade, hierarquia e encadeamento, tradicionalmente associados à organização do currículo e às atividades escolares, cedem lugar à teoria do conhecimento como rede de significados, o mesmo acontecendo com as teorias lineares que dão sustentação ao modelo tradicional de ensino, com seus pré-requisitos, etapas rígidas e formais de ensino e aprendizagem, cadeias de conteúdos e escalas de avaliação da aprendizagem.
  3. Na perspectiva deste Marco Referencial, portanto, a apropriação de conhecimento acontece como um processo ininterrupto de transformação e de atribuição de significados e, ainda, de estabelecimento de relações entre esses significados. A cada nova interação com objetos do conhecimento, a cada possibilidade de diferentes interpretações, um novo ângulo se abre, significados se alteram, novas relações se estabelecem e possibilidades de compreensão são criadas. A apreensão de um conceito, ideia, fato ou procedimento se dá por meio das múltiplas relações que o educando estabelece entre os diferentes significados desse mesmo conceito. Assim, a compreensão do que é aprendido e sua estabilização como aprendizagem significativa dependem da qualidade e quantidade dessas relações.
  4. Na prática escolar, essa perspectiva implica articular ensino e aprendizagem, conteúdo e forma de transmiti-lo, em um ambiente escolar cada vez mais favorável à aprendizagem. Nesse ambiente, todas as ações devem favorecer o processo múltiplo, complexo e relacional de conhecer e incorporar dados novos ao repertório de significados daquele que aprende, de modo que ele possa utilizá-los na compreensão orgânica dos fenômenos e no entendimento da prática social.

 

  • Concepção curricular
  1. O currículo explicita as escolhas antes mencionadas e as ideias que sustentam este Marco Referencial, operacionalizando a visão de cultura que se deseja promover na RSB. Concebido no contexto de um processo social específico, o currículo molda o projeto e, como tal, veicula pressupostos, concepções, valores e visões da realidade. Ele orienta as escolhas dos conteúdos e dos métodos de ensino, transformando práticas existentes ou qualificando-as.
  2. Currículo e contexto influenciam-se mutuamente, o que faz, por exemplo, com que uma mudança curricular venha junto, ou até depois, de mudanças em contextos escolares. Uma mudança curricular, portanto, não se restringe a acrescentar, modificar ou eliminar conteúdos, disciplinas ou textos. Quer mudar a atitude ante o conhecimento e conscientizar o aluno a respeito de sua própria formação. Busca fazer da aprendizagem um processo de construção de significados, realiza novas atividades para que o aluno aprenda de outra forma e conecte as experiências prévias desse aluno com o conhecimento elaborado.
  3. Assim, a elaboração do Marco Referencial e de seu currículo, para a RSB, mais que a simples redação de um novo plano, pretende alcançar a modificação simultânea dos contextos organizativos escolares, com suas disponibilidades materiais e com seus condicionamentos políticos e profissionais, estabelecidos ou presumíveis. Na prática, o plano curricular, que descreve o currículo escolhido pela RSB, busca indiretamente regular a estrutura de todo o sistema, as especializações e competências dos professores, a política de avaliação de resultados e a política de produção e consumo de materiais.
  4. As experiências das escolas devem constituir a base de um projeto geral, uma vez que inovações, em educação, pressupõem um diálogo constante entre os agentes participantes, entre ideias e comportamentos velhos e novos. O professor deve atuar com base em um projeto coerente e coletivamente elaborado, evitando-se, assim, que estilos individuais acabem por determinar o funcionamento das escolas, especialmente quando experiências de trabalho integrado e cooperativo inexistem na realidade que se deseja modificar.
  5. Planejar o currículo nos níveis político e administrativo consiste em selecionar parcelas de cultura básica para a formação de cidadãos, e isso exige que se esclareçam os critérios culturais, sociais e profissionais que justificam as opções feitas, derivando daí as medidas adequadas para tomá-las viáveis na prática.
  6. O plano curricular da RSB prevê a produção de material instrucional, escrito ou em outras configurações, para alunos e professores. Esse material é componente essencial deste Marco Referencial, uma vez que concretiza metodologias, conteúdos específicos, avaliação, tempos, espaços e recursos. Além disso, exige a formação continuada dos professores, da Coordenação Pedagógica e da Orientação Educacional no apoio e acompanhamento à utilização desse material. Exige, ainda, a colaboração de todo o ambiente educativo – com seus recursos humanos, suas atividades extracurriculares e suas estruturas físicas – para o feliz êxito do currículo oculto.

 

MATERIAL DIDÁTICO

 

A Rede Salesiana de Escolas – RSB é a primeira rede que cria o próprio material didático, seguindo o caminho inverso de conglomerados educacionais que franqueiam o material e a marca, sem ter base própria. A proposta pedagógica da Rede Salesiana Brasil é concretizada nos livros didáticos, elaborados de forma coletiva por professores e especialistas que têm afinidade com o sistema educativo salesiano. A qualidade deste material e a inovação que representa são características reconhecidas até mesmo fora dos limites da Rede. Tanto que o livro de Física para 1ª série do Ensino Médio teve destaque nas comemorações do Ano Mundial da Física. Além disso, sete paradidáticos da RSB foram selecionados pelo Programa Nacional do Livro Didático de São Paulo (PNLD/SP). Eles foram incluídos em uma lista de títulos recomendados para as escolas públicas federais, estaduais e municipais do Estado de São Paulo. A RSB tem chamado a atenção de outras escolas pela seriedade do projeto, as inovações tecnológicas e curriculares e uma equipe de autores reconhecida nacionalmente.

 

ORGANIZAÇÃO PEDAGÓGICA

DIREÇÃO INSTITUCIONAL

 

Ir. Raquel Vieira da Luz

 

 

 

DIREÇÃO PEDAGÓGICA

 

Ir. Raquel Vieira da Luz

 

 

 

COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA

 

 

EDUCAÇÃO INFANTIL e FUNDAMENTAL I

ENSINO FUNDAMENTAL II e ENSINO MÉDIO

 

Ecleane Jesus de Oliveira Lopes

 

Andréia Vieira de Souza Menezes

 

O Serviço de Coordenação Pedagógica do Colégio Auxilium direciona, acompanha e contribui para a melhoria do processo de ensino e aprendizagem, orientando as práticas pedagógicas dos docentes e indicando a linha pedagógica da Rede Salesiana de Escolas (RSB).  Dentro do organograma institucional, o setor está diretamente ligado à Direção Pedagógica, prestando assessoria nos assuntos ligados à prática educativa, e, também, está ligado aos professores e alunos enquanto agentes do processo educativo. A ação da Coordenação Pedagógica é marcada pelo processo participativo, mantendo uma rede de relações interpessoais e o estabelecimento de metas comuns, num movimento de formação continuada, na qual os saberes e conhecimentos se confrontam e interagem para a melhoria do processo de ensino-aprendizagem. Cabe ao Coordenador Pedagógico promover:

a) A vivência da proposta educativa;

b) A animação e a integração das atividades pedagógicas;

c) Uma metodologia ativa e participativa;

d) O trabalho em equipe;

e) O bom desempenho do processo ensino-aprendizagem;

f) Encontros para a orientação de pais, alunos, educadores e demais funcionários quanto à manutenção das condutas pedagógicas;

g) Encontros para a formação e capacitação dos docentes.

 

ORIENTAÇÃO EDUCACIONAL

 

EDUCAÇÃO INFANTIL e FUNDAMENTAL I

ENSINO FUNDAMENTAL II e ENSINO MÉDIO

Renata Morais Silva Lima

 

Renata Morais Silva Lima

 

O serviço de Orientação Educacional está direcionado ao atendimento pedagógico dos alunos no sentido de capacitá-los a acompanhar efetivamente o processo ensino aprendizagem no qual estão inseridos. Cabe a este setor, em sintonia com a Coordenação Pedagógica, orientar pais, professores e alunos quanto à importância da Rotina Escolar da Instituição (horário, uniforme, tarefas e trabalhos, avaliações e desempenho); sendo um aliado importante na formação cognitiva, social e emocional dos jovens e ainda como motivador do desenvolvimento do cidadão e do exercício da cidadania ativa. Para o sucesso dessa proposta é fundamental o estabelecimento de parcerias que deem agilidade e vigor às ações e que fortaleçam o trabalho docente, favorecendo o desempenho dos alunos e dos professores, que, certamente, darão um salto qualitativo no desenvolvimento de suas habilidades e competências.

 

COORDENAÇÃO DE PASTORAL

 

 Irmã Josefa Americo Rolim- Infantil ao EM041
  

 

A assistência Pastoral do Colégio Auxilium é a realização concreta da missão educativa, visa o crescimento integral da pessoa, proporciona experiência salvífica de Jesus Cristo, o sinal mais surpreendente do amor de Deus para com a humanidade, e orienta para o discernimento do projeto sobre a própria vida e sobre a história.

 

ORGANIZAÇÃO PEDAGÓGICA

 

  • ACOLHIDAS

 

Educador salesiano é, por princípio, um anunciador de Jesus Cristo para a juventude que carece escutar e assimilar os valores do evangelho. A acolhida é uma forma de sermos missionários para nossos alunos, de “fazermos o bem enquanto temos tempo”, como disse Madre Mazzarello. Ela é a oportunidade de refletirmos e experimentarmos o Evangelho de maneira plena, aprofundando a nossa fé. A acolhida é uma prática diária nas casas salesianas. Em nossa escola, de forma geral, ela acontece da seguinte forma:

a) Ed. Infantil – Na área coberta - as professoras revezam-se.

b) Ens. Fund. I – alunos reunidos na área coberta - as professoras revezam-se.

c) Ens. Fund. II e Médio – alunos nas salas de aula - todos os professores da primeira aula a realizam; uma vez/semana na capela com a Equipe Gestora e quinta-feira pela rádio.

d) Em datas comemorativas e realizamos as acolhidas reunindo os alunos da Educação Infantil, Ensino Fundamental I e II e Ensino Médio, para aumentar o envolvimento das crianças, buscamos preparar previamente com elas este momento para que se sintam portadoras do anúncio da palavra e da VIDA, compreendendo o seu sentido e a opção por viver de maneira cristã. Todos os alunos participam do momento cívico todas as quartas-feiras, Matutino, e na sexta-feira, Vespertino, Educação Infantil e EFI.

 

Para melhor aproveitamento dos momentos em que a acolhida é realizada em conjunto, é preciso que os professores estejam envolvidos com a proposta e que preparem seus alunos incentivando a participação. Isso significa que, antes de descerem para o pátio, os professores devem explicar a importância do evento e a necessidade de manterem uma postura adequada de aprendizagem e respeito. No pátio é preciso que os professores estejam próximos das turmas que estão acompanhando, assegurando que a atenção esteja voltada para o que está sendo anunciado. Para realização da acolhida diária, os professores recebem um livrinho anual que serve como subsídio. O livrinho das acolhidas traz ricas histórias e reflexões que nos ajudam a transmitir aos alunos os valores que os levarão a assumir o projeto de Jesus como seu projeto de vida. Para realizá-las bem, é preciso que cada professor prepare este momento. Recomenda-se, então, que antes da acolhida, leia, reflita e assimile a mensagem a ser comunicada. O momento da acolhida é um tempo muito especial. Com a palavra anunciamos a VIDA e seus valores. Com o coração expressamos nossas convicções. Com o testemunho afirmamos nossas crenças. O testemunho do educador diante dos alunos é essencial! Uma palavra pronunciada com entusiasmo pode transformar muitos corações. Ser educador salesiano é assumir as acolhidas como momento educativo, como nos sugere Dom Bosco. A acolhida é momento propício para desenvolver o Espírito Salesiano no educador e no educando, o que é o diferencial em nossas escolas.

 

  • ORGANIZAÇÃO CURRICULAR

 

Os educadores do Colégio Auxílium compreendem a educação como um processo de construção e desenvolvimento pessoal pelo qual o indivíduo, relacionando-se com o ambiente, com os outros e com a sociedade, cresce e se constitui como pessoa.  Nesse sentido, a educação ultrapassa o espaço da escola e incide sobre a totalidade da vida do educando. Não há dúvida de que a escola é um lugar privilegiado para o desenvolvimento das capacidades individuais e coletivas e para a análise crítica da sociedade. Por isso, utilizamos os recursos pedagógicos da RSB que:

  • Propõem atividades que favorecem a reflexão, bem como o uso estratégico das aprendizagens;
  • Diversificam os tipos de atividades;
  • Estimulam o trabalho em grupos cooperativos, a análise do contexto e do ambiente, a criatividade, a pesquisa, o sentido prático, o aprender a aprender;
  • Proporcionam transferência de aprendizagens de uma situação para outra.

 

Nossa escola, o ensino é concebido como um conjunto sistemático de ações, cuidadosamente planejadas, ao redor das quais conteúdo e forma articulam-se permanentemente.  As atividades permitem que o professor e o aluno compartilhem parcelas cada vez maiores de significados em relação aos conteúdos do currículo escolar. O professor orienta suas ações para que o aluno participe em tarefas e atividades que o aproximem cada vez mais dos conteúdos que a escola tem para ensinar. Dentro dessa visão, conceitos como os de precisão, linearidade, hierarquia e encadeamento, tradicionalmente associados à organização do currículo e às atividades escolares, cedem lugar à teoria do conhecimento como rede de significados, o mesmo acontecendo com as teorias lineares que dão sustentação ao modelo tradicional de ensino, com seus pré-requisitos, etapas rígidas e formas de ensino e aprendizagem, cadeias de conteúdos e escalas de avaliação e aprendizagem. Todo o ensino e material da Rede Salesiana de Ensino baseiam-se na construção e desenvolvimento de competências e habilidades.  

 

  • PLANEJAMENTOS

O planejamento é o grande guia do trabalho do professor.  Para tanto, o Colégio Auxílium, em consonância com a Inspetoria  Madre Mazzarello e a Rede Salesiana de Ensino, exige os seguintes planos:

  • Para o Ensino Infantil

⮚ Planejamento Anual;

⮚ Planejamento Semestral;

⮚ Planejamento Semanal.

  • Para o Ensino Fundamental I

⮚ Planejamento Anual;

⮚ Planejamento Trimestral;

⮚ Planejamento Quinzenal.

 

  • Para o Ensino Fundamental II e Ensino Médio

⮚ Planejamento Anual;

⮚ Planejamento Trimestral;

⮚ Cronograma Trimestral e as atividades extras deverão ser anexadas para observação, bem como os filmes a serem passados aos alunos deverão ter a aprovação da Coordenação Pedagógica.

 

  • SISTEMA DE NOTAS

 

O sistema de notas do Colégio Auxílium contempla 100 pontos anuais divididos da seguinte forma:

 

DISTRIBUIÇÃO DE PONTOS DO ANO LETIVO 2014

 

1º TRIMESTRE

2º TRIMESTRE

3º TRIMESTRE

TOTAL

Pontuação máxima

30 pontos

35 pontos

35 pontos

100 pontos

Pontuação mínima

18 pontos

21 pontos

21 pontos

60 pontos

 

⮚ Para Educação Infantil:

Os alunos da Educação Infantil são avaliados por meio de Relatórios semestrais, realizados pelas professoras, dentro dos prazos e normas estipulados pela Coordenação Pedagógica em consonância à Direção Pedagógica.

⮚ Para Ensino Fundamental I:

A divisão de notas dos trimestres, para os alunos do Ensino Fundamental I deve respeitar a seguinte divisão:

 

 

DISTRIBUIÇÃO DE PONTOS / FUNDAMENTAL I

1º TRIMESTRE

2º TRIMESTRE

3º TRIMESTRE

AV1

10,0

AV1

12,0

AV1

12,0

AV2

12,0

AV2

15,0

AV2

15,0

SIMULADO

4,0

SIMULADO

4,0

SIMULADO

4,0

AC

4,0

AC

4,0

AC

4,0

 

 

⮚ Para Ensino Fundamental II e Ensino Médio:

A divisão de notas dos trimestres, para os alunos do Ensino Fundamental II e Médio deve respeitar a seguinte divisão:

 

 

DISTRIBUIÇÃO DE PONTOS /FUNDAMENTAL II E MÉDIO

1º TRIMESTRE

2º TRIMESTRE

3º TRIMESTRE

AV 1

10

AV 1

12

AV 1

12

AV 2

12

AV 2

13

AV 2

13

Simulado

6,0

Simulado

8,0

Simulado

8,0

AC

2,0

AC

2,0

AC

2,0

TOTAL

30

TOTAL

35

TOTAL

35

 

OBSERVAÇÕES IMPORTANTES:

DEVERES DE CASA

 

O Colégio Auxílium entende que as tarefas de casa são fundamentais para a fixação do conteúdo aprendido. As tarefas devem ser constantes e bem dosadas. É preciso atenção para não deixar de verificá-las e de fazer a devida correção, em sala, o mesmo aplicando-se às listas de exercícios. Cabe ao professor:

  1. Passar tarefas diariamente;
  2. Preparar o bloco de tarefas (Infantil ao 3º ano) ou anotar as tarefas do dia na agenda de sala (do 6º ano EFII a 3ª série EM) para serem postadas no blog: blog.colegioauxilium.

www.colegioauxilium.net/blog

  1. Vistar e corrigir as tarefas.
  2. Atribuir nota nas tarefas conforme divisão de pontos já apresentada.

AVALIAÇÃO

 

A avaliação deve ser constante, diária e contínua. O cronograma de provas, bem como toda a orientação para a sua elaboração e aplicação serão afixados e divulgados no blog da escola e no quadro de avisos da sala dos professores.

Atenção na elaboração das provas: que sejam contextualizadas, condizentes com o que foi ensinado em aula, explorando o raciocínio e a expressão escrita; avaliação bem distribuída e bem dosada, tanto em relação aos conteúdos ministrados quanto ao tempo para a sua resolução.

As avaliações devem ser enviadas para análise da Coordenação Pedagógica devidamente acompanhadas de seus respectivos gabaritos e descritores. (Obs.: provas enviadas sem gabaritos, não serão analisadas até a chegada destes. Os simulados e os gabaritos serão disponibilizados aos alunos após a realização dos mesmos).

A matéria das provas deve ser encaminhada com no mínimo 07 DIAS ÚTEIS de antecedência para a Coordenação em formulário próprio, para divulgação no blog da escola. Essas informações também podem ser enviadas para e-mail da coordenação pedagógica.

Tanto nas provas quanto nos exercícios de sala devem ser usados os verbos operativos (encontram-se no final deste manual).  Evite o questionamento simples.  Em vez de ‘Quais as consequências de um terremoto?’ utilizar, por exemplo, ‘Cite as possíveis consequências de um terremoto.’

As avaliações deverão ser devolvidas à coordenação pedagógica e conferidas logo após a resposta, em classe, num período máximo de 7 (sete)dias.

O professor do EF II deve, ao final da correção de cada avaliação (AV1 e AV2), entregar o RELATÓRIO DE RESULTADOS para a Coordenadora pedagógica e Orientadora Educacional e fazer a Recuperação Paralela, tendo como referência os resultados analisados. Não será permitido aplicar provas iguais às utilizadas nos anos anteriores. Tal ação depõe contra o educador e contra esta Instituição. Caso tal atitude aconteça, o docente será advertido, verbalmente, depois por escrito.

 

ENSINO MÉDIO

As avaliações para o Ensino médio acontecerão no contra turno (período vespertino) como também algumas aulas para completar a carga horária.

 

  • CONDUTA EM DIA DE AVALIAÇÃO

⮚ No dia da prova/simulado:

a) Verificar a disposição das carteiras;

b) Identificar, no local, objetos (cadernos, livros etc.) que deverão ser guardados durante a aplicação da prova;

c) Evitar conversas entre os alunos e atitudes que perturbem o ambiente;

d) Solicitar ao aluno que fique somente com o material necessário à resolução da avaliação em cima da carteira. CALCULADORAS SÃO SEMPRE PROIBIDAS;

e) Proibir qualquer atitude do aluno que favoreça a “cola”. Antes que aconteça, fazer mudança de lugar e ficar atento, evitando que o incidente se repita;

f)  Observar se, ao se ausentar da sala por qualquer motivo, o aluno não leva algum material.  Se a avaliação não é longa, retarde ao máximo essa saída;

g)  Orientar os alunos sobre os celulares: devem ficar desligados e dentro das mochilas e estas devem ser colocadas à frente da sala. Pedir aos alunos, antes do início da avaliação para conferirem o número de folhas e páginas (verso e anverso, quantidade de questões);

h) Solicitar que em primeiro lugar preencham o nome, número e turma. Pedimos ainda ao professor que não se ocupe de outra atividade, enquanto o(a) último(a) aluno(a) não tiver entregado a prova. Incorrer nesta atitude é considerado falta grave;

i) Conferir, ao receber as provas, na presença do aluno, se na mesma consta seu nome e turma;

j) Estar sempre atento durante a realização da avaliação é extremamente importante. Não é permitido ficar sentado à mesa ou conversar com os alunos que já terminaram suas avaliações. É sempre bom andar pela sala. Chamar a atenção discretamente de um ou outro aluno antes de tomar uma atitude mais drástica, procurando não quebrar o silêncio da turma;

k) Manter silêncio total enquanto houver aluno com avaliação em mãos;

l) Agir com o máximo rigor e uniformidade na fiscalização das avaliações, coibindo as iniciativas dos alunos no sentido de se utilizarem de meios ilícitos para obter “êxito”;

m)  Encaminhar o envelope de provas à Coordenação;

n)  Devolver, sempre em ordem alfabética, as avaliações e simulados.

 

  • CORREÇÃO DE ATIVIDADES AVALIATIVAS

 

No instrumento avaliativo, o erro deve ser ressaltado com muita clareza para o aluno. A partir daí é que começa a melhoria do trabalho.

 

a)  Ao corrigir qualquer atividade, evite "rabiscar".  Contudo, pequenos comentários questionando a lógica são bem-vindos. Mas, cuidado: palavras mal escritas em instrumentos avaliativos são um arraso para os alunos e um documento moral e legal para os pais.

b) Tenha claros os critérios de correção e informe os alunos sobre os critérios estabelecidos.

c) Em cada questão deve constar o valor alcançado pelo aluno.

d) Calcule os valores da média geral da avaliação e da média de desempenho em cada questão, pois são instrumentos importantes para o aluno e para a avaliação do instrumento. Após sua análise, comunique-os à Coordenação Pedagógica e Orientação Educacional.

e) Ao avaliar cartazes, trabalhos, produções de textos, dentro ou fora da sala, observe os seguintes aspectos: estética, organização, margens, limpeza, ortografia, caligrafia.  Deixe sempre muito claros os critérios de correção e o valor de cada um deles. 

f) Caso haja atraso na entrega do trabalho pelo aluno, ele poderá ser entregue na aula seguinte da própria disciplina, valendo 50% do valor total, mesmo com a justificativa. Caso reincida, o assunto deve ser tratado com o Orientador Educacional antes de comunicar qualquer decisão ao aluno.

g) Os trabalhos e avaliações, devem ser devolvidos aos alunos em até 07 dias após a realização ou entrega destes.

h) Atenção: Avaliação dada, nota lançada no sistema (verificar cronograma de avaliação).

 

 

  • DEVOLUÇÃO DAS ATIVIDADES AVALIATIVAS PARA OS ALUNOS

 

a) No Planejamento Semanal (EF I) e no Cronograma trimestral (EF II e EM) deve ser contemplada pelo menos uma aula de ENTREGA DE PROVA, para que o professor possa fazer a correção e os comentários individualmente.  

b) Reavaliar o resultado da Atividade Avaliativa pode se transformar em um forte momento de aprendizagem.

c) Pergunte ao aluno as razões que o levaram ao erro e ouça-o com muita atenção. Reavaliar a atividade com os alunos não significa "fornecer o gabarito".

d) Faça a correção coletiva da avaliação ou das questões cujas respostas apresentaram mais erros, antes de devolvê-la.

e) Não faça revisão de avaliação de aluno em sala de aula, em caso de questionamento por parte deste sobre nota ou correção de questão.

f) Analise o resultado da avaliação de sua disciplina para detectar as deficiências no processo ensino-aprendizagem e procure apoio da Equipe Pedagógica que fará a análise das aulas, dos conteúdos e das avaliações e, ao detectar problemas significativos, elaborará, com o professor, estratégias adequadas para corrigir as deficiências detectadas.

 

  • AVALIAÇÕES DE 2ª CHAMADA

Pelo nosso calendário, teremos avaliação de 2ª chamada após cada bloco de avaliações.

a) Professores Ensino Fundamental I, II e Ensino Médio – informar a Orientação Educacional sobre os alunos que perderam alguma atividade avaliativa, para que entre em contato com a família.

b) Não estabeleça outros critérios de avaliação para não criar precedentes. Não é permitido calcular médias ponderadas para suprir uma nota. Somente em casos especiais e com o aval da Direção e Coordenação Pedagógica, esse recurso poderá ser adotado.

c) É importante diversificar e diferenciar a segunda chamada da primeira.

 

  • RECUPERAÇÃO PARALELA

a) O Colégio Auxílium oferece aos alunos do Ensino Fundamental I, II e Ensino Médio, estudos dirigidos de RECUPERAÇÃO DE CONTEÚDOS da seguinte forma: paralela após o resultado da AV1 e AV2. Não há recuperação de notas nessas duas etapas.

b) Cada professor deve prever em seu planejamento semanal (EF I) e no cronograma semanal (EF II) pelo menos uma aula para realização da RECUPERAÇÃO DE CONTEÚDOS.

c) A recuperação paralela é feita da seguinte forma:

⮚ Cada professor deve providenciar uma lista de exercícios, em formulário próprio e enviar para a coordenação.

⮚ Todos os alunos, sem exceção, recebem e respondem à lista.

 

A recuperação final para alunos do Ensino Fundamental I, II e Ensino Médio ocorre após o final do período regular das aulas anuais, em época definida no calendário escolar, para alunos com aproveitamento anual abaixo de 60 (sessenta) pontos em até 03 (três) componentes curriculares e com frequência anual igual ou superior a 75% (setenta e cinco por cento).

 

I- Alunos com média final inferior a 30,0 pontos ou frequência inferior a 75% estão automaticamente retidos no referido componente curricular.

II- Alunos com média final inferior a 60,0 pontos em quatro ou mais disciplinas está automaticamente retido no ano escolar;

III- Não há 2° (segunda) chamada para atividades e avaliações de recuperação final, ressalvando os casos especiais, referendados pela Direção Pedagógica.

 

Uma vez submetido ao processo de recuperação final, o educando que obtém aproveitamento igual ou superior a 60 (sessenta) pontos, resultante da média aritmética entre resultado anual (RA) e resultado da recuperação final (RR), é considerado aprovado.

Os conteúdos e a metodologia trabalhados na recuperação final são relacionados, respeitando a importância deles para o prosseguimento dos estudos no ano escolar seguinte.

 

ORIENTAÇÕES PARA O CORPO DOCENTE

HORÁRIO

a) Dirigir-se ao pátio (Ed, Infantil e Ens. Fundamental I) e à sala de aula (Ens. Fundamental II e Ensino Médio) no início da música tocada no pátio e na sala dos professores às 7h10 (manhã) e 12h45 (tarde) para receber os alunos e prevenir eventuais problemas.

b) O professor deve ser o último a retirar-se da sala de aula, antes do horário do recreio e no último tempo de aula, não se esquecendo de apagar as luzes, apagar e fechar a porta da sala. A mesma orientação vale quando deslocar-se para outro espaço pedagógico.

c) Não existe intervalo entre as aulas. Admite-se apenas o tempo suficiente para a troca de sala dos professores.

d) Pede-se a atenção quanto ao tempo de aula, não saindo de sala para beber água, pegar material ou outros, salvo situações extremamente necessárias.

ASSIDUIDADE E PONTUALIDADE

 

a) A assiduidade e a pontualidade comprovam o alto grau de responsabilidade profissional do professor, além de constituírem testemunho precioso aos alunos.

b) Igualmente, a pontualidade na entrega de documentação, planejamento, provas, testes, exercícios, diários de classe, aos setores responsáveis deve ser rigorosamente observada pelos educadores.

 

FALTA AO TRABALHO

 

a) Qualquer falta ao trabalho da parte do professor deve ser na medida do possível, comunicada à Coordenação Pedagógica, com a devida antecedência.

b) Cada professor deverá entregar para a Coordenação Pedagógica uma atividade de cunho geral para cada turma que leciona.

c)  A data de entrega deste material será passada pela Coordenação Pedagógica, bem como as instruções de como fazê-la.

d) O professor deverá mandar um substituto se sua ausência for por interesse próprio, como viagem ou mesmo atender a outra escola.

 

MATERIAL DIDÁTICO

O Colégio Auxílium adota material didático próprio, editado pela Rede Salesiana de Escolas. O uso do material da RSB é obrigatório para todos os professores, bem como a sua defesa, estimulando o educando a utilizar este recurso pedagógico.

 

LINGUAGEM E ATITUDES CONDIZENTES

a) Utilizar linguagem adequada.

b) Primar por atitudes condizentes com a sua condição de educador e profissional de educação, procurando agir sempre com justiça e ética e, assumindo, com competência e entusiasmo, os encargos que lhe competem e as tarefas de interesse da comunidade escolar.

c) Cuidar de sua aparência pessoal e utilizar um vestuário adequado e conveniente ao ambiente escolar.  O professor é o primeiro exemplo do aluno.

 

TEMPO DE AULA

a) Programar as suas aulas de modo a ocupar integralmente o tempo previsto.

b) Dispensar a turma somente após o toque do sinal oficial.

 

TRABALHO INTEGRADO

Trabalhar, de forma integrada e participativa, com os seus grupos e com os Serviços Educacionais da Escola.

a) Conhecer e assumir, em seu trabalho, a proposta pedagógico-pastoral da escola.

 

ÉTICA, SIGILO E RESPEITO

a) Guardar sigilo sobre as reuniões pedagógicas e disciplinares e as decisões do Conselho de Classe dos Professores.

b) Tratar com respeito e consideração os colegas, os funcionários, os alunos e os seus responsáveis, mantendo com todos um espírito de colaboração e de solidariedade.

c) Zelar pela boa reputação da Escola, dentro e fora dela.

d) Evitar compartilhamento nas redes sociais com os pais e alunos.

 

ENCONTROS DE FORMAÇÃO PERMANENTE

a) Os Encontros de Formação Permanente são momentos importantes para a organização do trabalho pedagógico e devem ser bem aproveitados e valorizados pelo professor, mantendo contato com as Coordenadoras Pedagógicas.

b) O professor deve organizar-se para participar das reuniões pedagógicas pré-agendadas (calendário entregue no início do ano letivo).

c) No ano de 2020, a Rede Salesiana de Escolas fornecerá treinamento específico via videoconferência .  É de vital importância a participação, na escola ou em casa, destes encontros.

d) O professor é responsável, junto à sua Coordenação Pedagógica, por colocar em prática, os programas de trabalho apresentados nos cursos, formações e afins.

 

DISCIPLINA

a)  É de responsabilidade do professor manter a disciplina enquanto desenvolve suas aulas e auxiliar na manutenção da ordem nos corredores.

b) Compete ao professor resolver, em primeira instância, qualquer problema de ordem disciplinar que ocorrer em sala de aula.

c) Cabe ao professor comunicar à Orientação Educacional e Coordenação Pedagógica, Ocorrências mais sérias, com a indicação das medidas tomadas pelo professor.

 

SALA ORGANIZADA

a) Orientar os alunos a deixarem as cadeiras arrumadas e limpas e a não jogarem lixo no chão, para que o espaço se mantenha limpo e organizado para a aula seguinte.

b) Não permitir que o aluno cole cartazes, faixas, adesivos etc., nas paredes e quadro, pois podem ficar manchadas.

c) Responsabilizar-se por todo o material utilizado. Limpar a lousa, desligar a luz e recolher os aparelhos eletrônicos utilizados são, também, de sua responsabilidade.

d) Deixar a sala organizada para o professor da próxima aula.  

 

DANOS AO PATRIMÔNIO

a) Zelar pelas instalações físicas da Escola, orientando e acompanhando os educandos durante seu turno de trabalho.

b) Zelar pela conservação dos móveis e das salas, em geral.

 

AUTORIZAÇÃO PARA ENTRAR EM SALA

a) Não permitir a entrada do aluno atrasado sem o devido conhecimento da Orientação Educacional, bem como sua saída antecipada.

b) Solicitar ao aluno a apresentação da autorização para retornar à sala de aula, quando ele estiver em atendimento na Direção Institucional ou Pedagógica, Coordenação Pedagógica e Orientação Educacional, etc.

c) Não permitir a presença de alunos alheios à turma durante a aula na porta ou dentro da sala.

 

CUIDADO COM O MATERIAL

Responsabilizar-se pelo material didático e escolar sob seus cuidados (computadores, Datashow, mapas, jogos e brinquedos pedagógicos, CDs, DVDs entre outros).

 

ATIVIDADES FORA DA SALA DE AULA

O professor que tiver alguma aula/atividade fora da sala de aula convencional, deve acompanhar a sua turma na ida e na volta à respectiva sala. Procurar, para tanto, retornar antes do término da aula e deixar a turma em condição de trabalho.

 

ASSISTÊNCIA / PRESENÇA

a) Aconselhar os alunos e orientá-los sempre que for oportuno, em consonância com a Filosofia Educacional do Colégio Auxílium.

b) Desenvolver neles o espírito de amizade, fraternidade, solidariedade e respeito mútuo.

c) Antecipar os alunos na entrada e após o intervalo (recreio).

d) Ser o último a sair da sala para o recreio e no final da aula.

 

PROFESSOR TUTOR E/OU ASSISTENTE – EF II/ EM

Os professores do Ensino Fundamental II são divididos em duplas para assistirem a uma determinada turma.  Enquanto “padrinhos” desta turma, são suas funções:

⮚ Conhecer e aproximar-se com maior dedicação dos alunos de sua turma;

⮚ Colaborar na organização dos projetos específicos das turmas (competições, mostra cultural, gincanas, festas escolares etc);

⮚ Trabalhar em conjunto com a Orientação Educacional no direcionamento desta turma no que tange seu resultado geral e específico.

 

ASSISTÊNCIAS ÀS AULAS

É parte de nossa proposta pedagógica que cada professor tenha sua aula assistida pelo menos três vezes no trimestre pela Coordenação Pedagógica. O intuito desta observação de aula é acompanhar a prática pedagógica do professor dentro de sua necessidade e ajudá-lo na solução de eventuais dificuldades de percurso. O professor receberá a devolutiva dessas observações de aula seguindo o que será acordado entre a Coordenação Pedagógica e o Corpo Docente de cada segmento de ensino da escola.

 

ATENDIMENTO AOS PAIS

São realizadas três reuniões entre pais e mestres para comunicação do rendimento do aluno, sendo uma por trimestre. Quando solicitado um atendimento individualizado, o professor deve fazê-lo acompanhado da Coordenação Pedagógica ou Orientadora Educacional. Para facilitar o atendimento, damos algumas orientações.

a) Atender o (a) responsável com os controles de nota à mão e eventuais anotações. Identificar bem o (a) aluno(a) é fundamental!

a) Evitar a “solução mágica” de recomendar que o(a) aluno(a) sente à frente na sala, que troque de lugar. Ninguém vai dar conta de colocar todos na 1ª fila. Além disso, em boa parte dos casos, essa não costuma ser a medida mais indicada ou suficiente para melhorar o interesse e o desempenho do(a) aluno(a).

b) Evitar comentários taxativos e inoportunos do tipo “não tem jeito”, “não tem condições”, “já está com o ano perdido”, “já está reprovado(a)”, “está na lista negra”, e semelhantes.

c)  Dirigir-se a um pai, primeiramente  apresentando um ponto positivo do aluno, para só então fazer as observações necessárias.

d) Destacar o investimento e o esforço que estão sendo feitos com a recuperação, no sentido de ajudar os alunos a superarem suas dificuldades.

e) Interromper a conversa, quando perceber que não consegue evoluir e dar um encaminhamento adequado.

f) Combinar outro horário, caso não seja possível atender bem a alguém, dando a atenção necessária ao caso.

 

CHAMADA DIÁRIA

Faça a chamada diariamente, na primeira aula, anotando na lousa, no canto próximo à porta, o nome dos ausentes.

 

FUMO E BEBIDAS ALCOÓLICAS

a) Não é permitido fumar nas dependências do colégio.

b) Em estudos de meio, viagem pedagógica e afins não será permitido fumar na presença dos alunos ou ingerir bebidas alcoólicas durante todo o percurso.

c) Evite fumar ou fazer uso de bebidas alcoólicas na presença dos alunos ou dos pais, seja no colégio ou em suas imediações.

d) É proibido o namoro nas dependências e no entorno da escola

 

LIGAÇÕES TELEFÔNICAS

a) Não utilize o telefone celular em sala de aula. Deixe-o em seu armário. Use-o somente na Sala dos Professores, em seu horário de recreio.

b) Os telefonemas são autorizados para casos de urgência e devem ser locais e de curta duração.

 

SALA DOS PROFESSORES E ARMÁRIOS

a) Os alunos, pais ou quaisquer pessoas não deverão ter acesso à sala dos professores.

b) O professor deverá tomar conhecimento dos avisos e comunicados afixados no quadro.

c) A sala dos professores é única e de uso coletivo de todos os professores da escola.  Os lanches são servidos nesta sala.

d) Cada professor do EF II e Médio tem seu armário e deve mantê-lo organizado. Não guardar materiais de alunos em outro local sem a prévia autorização da Coordenação.

 

SOLICITAÇÃO DE MATERIAL

a) O pedido de material deverá ser feito via Coordenação Pedagógica, com 03 dias de antecedência.  Eles são repassados ao setor responsável (via requisição) sempre às terças-feiras e devolvidos até quinta-feira (EI e EFI).

a) Quanto maior a antecedência, melhor.

b) Materiais não disponíveis na escola serão entregues após a aquisição, após autorização da Direção Pedagógica.

 

AGENDA ESCOLAR

Oriente o seu aluno a usar a Agenda Escolar diariamente, anotando as tarefas e atividades escolares. Isso o ajudará a se organizar melhor e a administrar o que tem a fazer. Utilize-a também para valorizar o seu aluno, ou seja, incentivá-lo, elogiá-lo e animá-lo.

ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO E EDITORAÇÃO DE EXERCÍCIOS, APOSTILAS, PROVAS E SIMULADOS

ELABORAÇÃO

a) As provas devem mesclar questões dissertativas e objetivas.

b) É preciso ter claro o que se quer avaliar ao elaborar uma questão.

c) A linguagem não pode ser a mesma utilizada durante o processo de ensino, mas deve estar no nível de compreensão do aluno.

d) As questões problematizadas exigem a descrição de seus contextos.

e) Todas as questões de provas devem apresentar seu valor.

f) Não serão xerocopiados materiais de outros livros.  Para tanto, é preciso ou digitar esse texto ou escaneá-lo como texto e organizá-lo.  As fontes devem sempre ser citadas.

g) As atividades avaliativas ou de sala devem ser digitadas em formulário próprio entregue no início do ano letivo.

h) A questão estética de qualquer material impresso é muito importante, pois ele carrega a marca tanto da escola quanto do professor que a produziu.

 

EDITORAÇÃO

a) Enviar as provas e atividades por e-mail para a Coordenação Pedagógica, não enviar direto à mecanografia.

b) Digitar as provas no formulário correto.

c) Usar a seguinte formatação:

- Tamanho: entre 10 e 12.

- Fonte: Arial ou Arial Narrow.

- Espaçamento entre linhas: mínimo de 1,5.

d) Procurar deixar suas atividades sempre com um número par de páginas, buscando o uso racional do papel.

e)  Nunca utilizar a prova do ano anterior

   

ATENÇÃO! Toda a produção de material do professor é de sua responsabilidade. Caso haja dificuldades quanto à formatação de textos e imagens, aconselha-se buscar treinamento específico, dentro da escola e fora dela. Os Coordenadores Pedagógicos estão sempre à disposição para auxiliá-los, não deixar essas solicitações para última hora!

 

ADMINISTRATIVO

 

DEPARTAMENTO FINANCEIRO

a) Registrar diariamente a sua presença, no sistema do bioponto, que se encontra na portaria central do Colégio e próximo à tesouraria.

b) Ser pontual: chegar ao colégio e às salas de aula antes dos alunos.

c) Retirar pessoalmente - tarefa intransferível - os contracheques, na Tesouraria, logo após o pagamento ter sido efetuado.

d) Zelar pela ordem e limpeza das dependências do Colégio, principalmente das salas de aula.

 

SECRETARIA

a) Responde pelos assuntos relacionados à vida acadêmica e curricular, bem como diários e notas.

b) Endereço eletrônico para digitação e notas:

⮚ Senha: a senha de acesso ao site é pessoal e intransferível.  Após sua aquisição, o professor deve anotá-la e protegê-la, pois será utilizada durante todo o ano letivo.

⮚ Os professores novatos devem procurar a secretaria antes do final do 1º trimestre para adquirir a sua senha de acesso.

 

c) Diário de Classe: deve ser feito cotidianamente. Muita atenção aos sábados letivos e folhas para o lançamento do conteúdo trabalhado no dia, pois ela é exclusiva para este fim. A pasta é o grande instrumento de comunicação entre a Secretaria e o Professor. Tanto o conteúdo quanto as faltas são diariamente digitados no sistema.

d) Digitação de notas no sistema: por lei, o professor deve atribuir no mínimo três tipos de avaliação a seus alunos ao longo do trimestre.  O site disponibiliza 07 espaços para digitação das notas nas diversas atividades avaliativas aplicadas.

e) Digitação de conceitos: nosso boletim prevê a digitação de conceitos para os alunos em todas as disciplinas. Eles devem ser digitados obrigatoriamente em LETRA MAÍÚSCULA, pela secretária.

f) Digitação das notas de recuperação: o professor deve lançar a nota que o aluno tirou na prova.  Nessas notas, o professor deve sempre digitar um número inteiro, sem vírgulas.

g) No mapa de notas do 3º trimestre que o professor entrega na secretaria deve constar a soma da nota dos três trimestres, da recuperação (se for o caso) e sua média ao final do processo.

h) Postagens das notas trimestrais: a data de postagem das notas é agendada pelas Coordenações Pedagógicas e o prazo estabelecido deve ser estritamente respeitado.

 

GRÁFICA

Todo material para xerocopiar deve ser enviado por e-mail para as Coordenações Pedagógicas para leitura, análise e encaminhamento. Sempre que encaminhar os trabalhos e provas (esta gabaritada), indicar para que data se destinam. O material deve ser mandado com no mínimo 03 dias úteis de antecedência, digitado e por e-mail.

 

RESERVA DE ESPAÇOS E RECURSOS

A reserva de espaços e recursos deve ser feita no formulário constante de pasta específica que se encontra na sala de Coordenação.

 

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

DA ESCOLA

O Colégio Auxílium, bem como todas as escolas da Rede Salesiana de Ensino, aplica, anualmente, uma avaliação institucional, preparada pela empresa Apoio Estratégico, que mapeia a visão de toda a comunidade escolar sobre ele (Equipe Gestora, Professores, Pais e Alunos). A partir destes resultados, são preparados planos de ação que visam a melhorar a escola como um todo.

 

DO EDUCADOR

Ao propor uma metodologia sistemática e científica de avaliação de desempenho do educador, de forma criteriosa e direcionada ao desenvolvimento do Colégio, buscamos apurar, analisar, avaliar e evidenciar esforços voltados para o aprimoramento organizacional. Todos os professores têm suas aulas acompanhadas pelas Coordenações Pedagógicas e as devolutivas são feitas ao longo do processo. Ao final de cada período o professor é convidado a uma autoavaliação de seu trabalho, sempre propondo metas para o próximo período. A Coordenação Pedagógica junto à Direção Pedagógica faz uma avaliação de cada docente e este resultado é compartilhado em reunião individual entre Coordenador e Professor, para análise dos dados.

 

DICAS DE VERBOS OPERATÓRIOS PARA PLANEJAMENTOS

VERBOS QUE INDICAM COMPETÊNCIAS DE NÍVEL BÁSICO

 

  • APRESENTAR: Expor, dar a conhecer de maneira sucinta.
  • CARACTERIZAR: Pôr em evidência, descrever as propriedades distintas de objetivos, palavras, textos, fatos, acontecimentos, situações, fenômenos, etc.
  • CITAR / APONTAR: Mencionar, indicar, de forma breve, determinado aspecto de um assunto.
  • CONCEITUAR / DEFINIR: Dizer em que consiste. Expor com palavras claras e precisas o sentido exato e autorizado de um termo ou de um assunto.
  • CONFIRMAR: Afirmar, com outras palavras, o já dito; ratificar, corroborar.
  • DENOMINAR: Nomear.
  • DESCREVER: Apresentar características particulares, distintivas, possibilitando uma visualização daquilo que está sendo escrito. A descrição é um processo de construção de uma imagem em que o observador mostrará sua percepção, sua impressão, enfim, seu ponto de vista do objetivo escrito, podendo ou não - dependendo da proposta - estar direcionada a um determinado texto. Descrever e "pintar com palavras".
  • DIFERENCIAR: Dar a cada um seu correspondente e legítimo valor; assinar por alguma diferença.
  • IDENTIFICAR: Reconhecer e apontar os elementos fundamentais ou as principais características de um objeto, situações, acontecimentos, fenômenos, épocas, pensamentos argumentações, etc. Expondo-os de maneira sucinta.
  • ILUSTRAR: Explicar usando figura, foto, diagrama, gráfico um exemplo concreto.
  • NARRAR: Contar a evolução cronológica de um fato ou de uma sucessão de fatos reais ou imaginários.
  • PARAFRASEAR: Transformar em palavras próprias as palavras do texto, sem comentários marginais, sem nada a acrescentar, sem nada a omitir do que seja essencial.
  • RELATAR: Contar, de forma breve, acontecimentos reais ou fictícios.
  • RESUMIR: Distinguir as ideias centrais de um texto das secundárias, “enxugando-o", assim obtendo a síntese que corresponde à compreensão do que foi lido.
  • TRADUZIR: Reproduzir uma comunicação em outra língua mudando apenas a forma de comunicação e não o conteúdo que deve manter fidelidade ao texto original.
  • TRANSCREVER: Copiar o que se pede tal como está no texto original (abrir e fechar aspas).

 

VERBOS QUE INDICAM COMPETÊNCIAS DE NÍVEL OPERACIONAL

 

  • ASSOCIAR: Estabelecer uma correspondência, uma relação entre duas ou mais afirmações, ideias, informações, etc.
  • CLASSIFICAR: Reunir em classes ou grupos respectivos segundo um sistema ou critério de classificação. Pôr em ordem de acordo com propriedades afins.
  • COMPARAR/CONFRONTAR: Examinar simultaneamente, a fim de conhecer as semelhanças, diferenças ou relações.
  • Pode-se apresentar, no anunciado da questão termo de comparação, isto é, o aspecto sob o qual a comparação deverá ser feita.  
  • COMPROVAR: Provar, novamente, uma proposição ou juntar as provas de sua verdade.
  • DEMONSTRAR: Apontar, através de evidências, a verdade de um fato, de um ponto de vista, de uma posição.
  • DETERMINAR: Indicar com exatidão, precisar, especificando características próprias; resolver operações matemáticas.
  • ENUMERAR: Listar fatos, dados, evidências, características, argumentos, especificando um a um.
  • ESCLARECER: Elucidar, tornar claro, compreensível o sentido de uma afirmação, um pensamento, uma ideia, um fato.
  • EXPLICAR: Dar a conhecer ou expor fatos, fenômenos resultados de experiências, pontos de vista, interpretações, afirmações, argumentos, textos, etc., com clareza, fornecendo razões para as opiniões emitidas. Explicar implica, necessariamente, manter fidelidade ao tema central, buscando a clareza de exposição numa sequência lógica de raciocínio.
  • EXPLICITAR: Tornar explícito, declarado, preciso o sentido do que se quer dar a conhecer.
  • INTERPRETAR: Expor, com clareza e objetividade, o sentido que tem para nós, dentro de um determinado contexto, fatos, resultados de experiências, dados gráficos, tabelas, figuras, desenhos, mapas, palavras, afirmações, etc., a fim de mostrar uma compreensão de assunto.
  • JUSTIFICAR: Explicar acontecimentos, resultados de experiências, fenômenos, opiniões, interpretações, decisões, etc., apresentando suas origens e seu desenvolvimento, com a finalidade de comprovar a veracidade ou exatidão das proposições. Em outras palavras, justificar e provar, fundamentar, dar razões convincentes, buscando comprovar a veracidade de um fato, de uma opinião. A justificativa difere da explicação, pois implica a análise e defesa de possíveis aspectos contraditórios.
  • RELACIONAR: Estabelecer relação, confrontar. No enunciado da questão, deve-se dar o aspecto sob o qual, objetivos, fatos, fenômenos, acontecimentos, ideias, textos, etc., deverão ser relacionados ou confrontados.

 

VERBOS QUE INDICAM COMPETÊNCIAS DE NÍVEL GLOBAL

 

  • ANALISAR: Decompor o objetivo a ser analisado (dados, gráficos, tabelas, figuras, desenhos, mapas, fatos, situações, fenômenos, processos, resultados de experiências, opiniões, argumentos, textos, etc.) a fim de examinar e identificar as partes, relações, ideias e os princípios envolvidos que levam a compreensão do todo. A partir daí, constrói-se uma reflexão fundamentada em argumentos que a justifiquem. Análise pressupõe exame, investigação, estudo detalhado. Deve-se, portanto, partir dos efeitos para as causas, do particular para o geral, da parte para o todo, do simples para o complexo.
  • APLICAR: Empregar o conhecimento já construído em contextos e situações específicas e concretas. Em outras palavras, consiste em usar informações, ideias, conceitos, relações para resolver questões e problemas concretos.
  • ARGUMENTAR: Enunciar os raciocínios que constituem um pensamento; defender ideias, opiniões a respeito de um determinado assunto.
  • Em uma argumentação, não é suficiente expor um ponto de vista; é imprescindível apresentar razões e evidências que o comprovem e o sustentem a fim de persuadir o leitor ou interlocutor.
  • AVALIAR: Emitir julgamento de valor, através da apreciação criteriosa de aspectos positivos e negativos.
  • COMENTAR: Discutir o que foi lido, a partir de um determinado contexto, dado pelo enunciado. Quando se comenta, opina-se a respeito do assunto, faz-se considerações baseadas em experiências pessoais, mesmo que direcionadas.
  • CONTESTAR: Negar a exatidão de proposições, teses, opiniões, argumentos, etc.
  • CONTRADIZER: Opor-se; alegar o contrário, provando a nova tese com contra-argumentos.
  • CONTRAPOR: Pôr contra, opor, apresentar em oposição, reconhecendo e indicando as características próprias de cada um dos elementos contrapostos.
  • CRITICAR: Julgar com critério, com discernimento, analisando o lado positivo e o negativo.
  • DEDUZIR / INFERIR: Gerar uma informação nova, a partir de uma informação anterior, em um determinado contexto. Ou seja, conclusões, raciocinar a partir da análise de dados fornecidos.
  • DISCUTIR: Analisar uma questão, um problema, um assunto pelo exame das razões e provas controversas.
  • DISSERTAR: Discorrer sobre um assunto, ordenando as ideias, justificando-as e relacionando-as com o fim de persuadir o leitor ou interlocutor.
  • EXTRAPOLAR: Ir além dos dados fornecidos para determinar outras possíveis implicações e consequências, a partir de um determinado contexto, dado pelo enunciado.
  • GENERALIZAR: Estender um conceito a todos os casos em que pode ser aplicado.
  • INVESTIGAR: Conhecer melhor uma área específica, através da análise, da comparação e da conceituação.
  • JULGAR: Decidir como juiz; formar juízo crítico; avaliar de acordo com determinados padrões e critérios para concluir sabre o valor do assunto proposto.
  • QUESTIONAR: Discutir um assunto, perguntar-se pelos seus aspectos controvertidos.

 

 

Diretora Institucional e Pedagógica -Ir. Raquel Vieira da Luz

 

Coordenadora Pedagógica – Ecleane Jesus de Oliveira Lopes Infantil EFI

Coordenadora Pedagógica - Andréia Vieira de Souza Menezes -EFII e EM            

 

Orientadora Educacional - Renata Morais Silva Lima- Infantil ao EM

 

Animadora de Pastoral - Ir.Josefa Americo Rolim- Infantil ao EM

  

                                                                                                                           Anápolis, Janeiro de 2020

 

“Basta que seja jovem para que eu vos ame muito” Dom Bosco

 

“ A ti as confio” Madre Mazzarello